As dinâmicas familiares podem ser complexas e, às vezes, podem surgir desafios que dificultam o relacionamento harmonioso entre seus membros. Neste artigo, exploraremos as características de uma família com dificuldades de convivência, oferecendo uma visão informativa sobre esse tema.

Uma família com dificuldades de convivência, comumente chamada de família disfuncional, é aquela em que os relacionamentos entre os membros são marcados por tensões e conflitos constantes. Essas dinâmicas adversas podem surgir de diferentes fontes e afetar negativamente o bem-estar emocional e psicológico de todos os envolvidos.

Um dos fatores que contribui para uma família disfuncional é a comunicação inadequada. Quando os membros da família não conseguem se expressar de forma clara e respeitosa, os mal-entendidos se acumulam e os conflitos se intensificam. Além disso, a falta de comunicação pode levar à supressão de emoções e à ausência de resolução de problemas, criando um ciclo de tensão contínua.

Outro aspecto comum em famílias disfuncionais é a presença de padrões disfuncionais de comportamento. Isso pode incluir abuso emocional, físico ou verbal, negligência, vícios e outros comportamentos prejudiciais. Esses padrões podem criar um ambiente instável e inseguro para os membros da família, impactando negativamente sua autoestima e bem-estar geral.

Além disso, as expectativas irrealistas também podem contribuir para a disfunção familiar. Quando há pressão excessiva para atender às expectativas dos outros membros da família, é comum que ocorra um desequilíbrio entre as necessidades individuais e coletivas. Isso pode levar ao ressentimento, à frustração e ao afastamento emocional entre os membros da família.

É importante ressaltar que a disfunção familiar não é um problema exclusivo de uma pessoa ou de um grupo específico. Essas dinâmicas podem surgir em famílias de qualquer origem socioeconômica, cultural ou étnica. Reconhecer a existência de problemas e buscar ajuda é um passo importante para promover a mudança e melhorar a convivência familiar.

Uma família com dificuldades de convivência, ou seja, uma família disfuncional, enfrenta desafios que afetam negativamente o relacionamento entre seus membros. Comunicação inadequada, padrões de comportamento disfuncionais e expectativas irrealistas são alguns dos fatores que podem contribuir para essa disfunção. É fundamental reconhecer esses problemas e buscar apoio para promover mudanças positivas no ambiente familiar. Ao adotar uma abordagem amorosa, empática e orientada para o crescimento mútuo, é possível criar um ambiente familiar mais saudável e harmonioso para todos.

Exemplos de famílias disfuncionais

Existem muitas razões pelas quais uma família pode ser disfuncional. Vamos dar uma olhada em algumas das razões pelas quais a disfunção ocorre nas famílias.

Emocionalmente indisponível

Em algumas famílias, os pais ou cuidadores estão emocionalmente indisponíveis. Eles podem ser frios e reter afeto físico ou palavras encorajadoras porque cresceram em um ambiente semelhante. Eles podem ter um estilo parental autoritário e acreditar no ditado de que “as crianças devem ser vistas e não ouvidas”.

Às vezes, os pais podem estar emocionalmente indisponíveis porque estão esgotados. Eles podem passar a maior parte do tempo trabalhando longas horas, lutando para pagar comida e abrigo, navegando em um relacionamento romântico tóxico ou abusivo ou cuidando de vários filhos. Essas circunstâncias não deixam muita energia para os pais nutrirem as necessidades emocionais únicas de seus filhos.

Os pais nas garras do vício também estão emocionalmente indisponíveis. Eles podem estar fisicamente presentes, mas emocionalmente ausentes porque estão chapados ou perseguindo sua próxima dose.

Viciados e Facilitadores

Em muitas famílias, os pais ou cuidadores têm vícios que lutam para controlar ou tentar esconder. O vício de um dos pais pode ser um segredo aberto ou extremamente óbvio porque impede o indivíduo de manter um emprego, cumprir seus deveres parentais ou ser uma presença constante e estável em casa.

O outro pai pode ser um codependente que cobre o adicto, tira o adicto das enrascadas ou implora constantemente ao adicto para parar de usar. Em essência, o pai codependente gasta mais tempo com o vício do parceiro do que criando os filhos.

Nem o pai sóbrio nem o pai viciado estão disponíveis para os menores em casa. As crianças nesse ambiente aprendem que não há problema em que o vício dos pais tenha prioridade sobre suas necessidades. Isso pode preparar a criança para vícios à medida que envelhece ou levá-la a procurar parceiros com personalidades viciantes.

Famílias de alto conflito e abusivas

Em famílias altamente conflituosas e violentas, discussões, críticas e abusos são ocorrências regulares. Simplificando, os pais dessas famílias estão fora de controle. Eles podem ser viciados em raiva que descarregam seus problemas pessoais nos filhos e uns nos outros.

Eles podem ver suas famílias como posses e não como seres humanos com suas próprias necessidades. Considerar seus filhos como propriedade torna mais fácil para eles racionalizar o abuso mental, verbal, emocional, físico ou sexual.

As crianças dessas famílias experimentam a traição final. Eles não podem contar com seus cuidadores para amá-los, protegê-los e respeitá-los. Eles crescem sentindo-se assustados, envergonhados, indignos e solitários. Quando adultos, eles podem desenvolver ansiedade, depressão, uso de substâncias, personalidade ou transtornos de estresse pós-traumático.
Como saber se sua família é/era disfuncional

Muitas pessoas não têm dificuldade em perceber que sua família era disfuncional, especialmente se os problemas familiares foram evidentes e eles tiveram a oportunidade de passar mais tempo com famílias funcionais. Mas outros podem achar difícil avaliar o nível de disfunção que sofreram ao crescer. Afinal, toda família tem problemas.

Como as pessoas podem saber se sua família não era apenas imperfeita, mas totalmente tóxica? Infelizmente, fazer essa ligação pode ser ainda mais confuso porque as famílias disfuncionais geralmente negam os problemas e punem os membros que estão dispostos a falar sobre os problemas.

O gaslighting e o desrespeito pela verdade em famílias disfuncionais podem levar os membros preocupados a pensar que são excessivamente sensíveis ou exageraram os problemas da família.

Além disso, as crianças não têm experiência de vida para saber o que é um comportamento normal ou anormal para os pais ou cuidadores. É por isso que algumas pessoas não percebem o quão problemática era sua família de origem até que passem um tempo com outras famílias ou comecem uma própria. Nesse ponto, eles podem perceber que nunca tratariam seus filhos como foram tratados enquanto cresciam.

Para obter informações sobre o quão disfuncional sua família era (ou é), reveja as seguintes perguntas. Responder ‘sim’ a pelo menos uma dessas perguntas pode indicar que sua família de origem era disfuncional.

  • Os irmãos se enfrentaram em sua família? Seus pais tinham um favorito e/ou um bode expiatório?;
    Em uma família com dois pais, você era extremamente próximo de um dos pais e extremamente distante do outro? Seus pais pareciam mais próximos de um de seus filhos do que um do outro?;
    Em uma família monoparental, você era o melhor amigo e confidente de seus pais? Seus pais ficaram ressentidos por você ter seus próprios amigos ou vida social?;
    Seus pais rotineiramente violavam seus limites – abrindo as portas do quarto e do banheiro sem bater, vasculhando seus pertences, escutando suas conversas – sem um bom motivo?;
    Você foi privado de comida, roupas, assistência médica e outras necessidades, embora seus pais tivessem meios de supri-los para você?;
    Abuso de qualquer tipo — verbal, emocional, físico, sexual — ocorreu em sua casa ou seus pais falharam em protegê-lo de abuso que ocorreu em outro lugar?;
    Você foi instruído a não contar a pessoas fora de sua família o que aconteceu em sua casa?;
    Seus pais ou responsáveis lutaram contra o vício em comida, drogas, álcool, jogos de azar, sexo, acumulação, compras, etc.? Esses vícios não foram discutidos abertamente ou você e outros membros da família foram encorajados a permitir esses vícios de alguma forma?;
    Seus pais ou responsáveis tiveram uma doença mental não tratada ou subtratada?;
    Ocorreu violência doméstica em sua casa?;
    Seus pais ou responsáveis escondem grandes segredos sobre finanças, doenças, paternidade/maternidade, casos extraconjugais (e quaisquer filhos gerados a partir desses relacionamentos), etc.?;
    Seus pais ameaçaram te abandonar ou realmente te abandonaram? Um dos pais rotineiramente ameaçou deixar o outro ou realmente o fez de maneira abrupta?;
    Você foi punido por se expressar, compartilhar suas opiniões, seguir seus hobbies, se destacar na escola ou em outra área?;
    Você foi tratado mais como um adulto do que como uma criança enquanto crescia? Esperava que você criasse seus irmãos, realizasse tarefas domésticas difíceis ou assumisse responsabilidades mais apropriadas para adultos?;
    Você foi infantilizado – tratado, vestido ou disciplinado como se fosse muito mais jovem do que realmente era?;
    As personas públicas de seus pais ou tutores diferiam completamente de suas personas privadas?

Se você cresceu em uma família disfuncional, pode se sentir sozinho ou isolado ou lutar para desenvolver relacionamentos saudáveis com os outros.

Além disso, ser duramente criticado ou criticado durante a infância pode ter feito com que você desconfiasse de si mesmo ou duvidasse de suas habilidades de tomada de decisão.

Para lidar com essas emoções negativas, você pode se envolver nos mesmos mecanismos de enfrentamento doentios que seus pais fizeram. Exemplos incluem atacar os outros, automedicar-se com drogas ou álcool, gastar demais ou comer demais. Felizmente, você pode tomar medidas concretas para quebrar o padrão de disfunção familiar.

Quebrando o Ciclo

Reconhecer que você cresceu em uma família disfuncional é um primeiro passo importante, mas apenas reconhecer essa verdade não é suficiente para interromper o padrão. Você pode trabalhar com um profissional de saúde mental licenciado ou ingressar em um grupo de apoio para ajudá-lo a lidar com qualquer trauma não resolvido relacionado à sua criação.

A terapia também pode ensiná-lo a usar habilidades de enfrentamento saudáveis para regular emoções desconfortáveis, em vez de desenvolver vícios ou comportamentos destrutivos. Um profissional de saúde mental também pode ajudá-lo a estabelecer limites, os quais você precisará se ainda estiver em contato regular com seus familiares disfuncionais. Você pode precisar limitar o contato com seus parentes enquanto trabalha em sua recuperação.

Se você gostaria de ser pai, reserve um tempo para aprender sobre o desenvolvimento infantil e como atender às necessidades das crianças em cada estágio. Você pode se inscrever em um curso, conduzir sua própria pesquisa ou trabalhar com um terapeuta em estratégias parentais saudáveis.

Simplesmente fazer o oposto do que seus cuidadores fizeram pode criar problemas novos e imprevistos para seus filhos; portanto, se você deseja exercer a paternidade, certifique-se de que a decisão seja informada e intencional.

Ao planejar se tornar pai, lidar com seus traumas passados e desenvolver habilidades saudáveis de enfrentamento, você estará em uma posição muito melhor para formar vínculos seguros com seus filhos e orientá-los para uma vida adulta saudável.

Deixe uma resposta

Redes Sociais!

Uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes, possibilitando atendimentos online e presenciais.

© PsicoMed Doctor Psi, LLC. All rights reserved.

Fale com o atendimento
Whatsapp
Whatsapp

Olá, visitante

Entre em sua conta

Ainda não tem cadastro? Abra conta grátis

Olá, visitante

Você tem interesse em um
orçamento de consulta

Receba grátis o contato com o valor
personalizado para a sua consulta hoje mesmo!

Form Apoiar

Olá, visitante

Olá, visitante

Editar Perfil

Ver Perfil Profissional, Editar, Inserir fotos

Chats

Mensagens de chats com pacientes

Notificações

Estatísticas de acesso de visitantes

Feed de Notícias

Posts na timeline dos pacientes

Publicar no Blog

Aumente o alcance de seu perfil

Painel Encaminha

Lista de encaminhamentos

Painel Ads

Gerenciamento de anúncios no Google

Plano Premium

Seu perfil em destaque na plataforma

Painel Financeiro

Sua conta Premium

Minha Conta

Gerenciar conta, alterar senha