“Você me protege do desamparo e eu me torno seu escravo”, esse é o pacto.

Não é a dor que determina o masoquismo, é o assujeitamento, é o prazer com a submissão. E o indivíduo masoquista escolhe este lugar de servidão.

A dor é resultado da servidão, e não o objetivo do masoquista: pode haver prazer sem dor, mas não o contrário. Só é possível suportar a dor se o sujeito masoquista estiver ocupando um lugar de submissão.

A psicanálise entende o masoquismo como uma estratégia que o sujeito encontra para suportar o desamparo, um tipo de refúgio, em que ele ocupa esse lugar de submissão na tentativa de colar-se, juntar-se, ao outro e evitar o sofrimento desse vazio. Submetido à servidão, o indivíduo busca multiplicar a dor na tentativa de exercer o controle sobre ela… sobre a dor do desamparo.

Cada sujeito busca uma forma de dar conta do vazio marcado pelo desamparo. A vida precisa seguir. E segue.

Obs.: O prazer direto a dor é chamado de algolagnia.

(Pintura: Eduardo Berliner)

Deixe uma resposta

Redes Sociais!

Uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes, possibilitando atendimentos online e presenciais.

© PsicoMed Doctor Psi, LLC. All rights reserved.

Fale com o atendimento
Whatsapp
Whatsapp

Olá, visitante

Entre em sua conta

Ainda não tem cadastro? Abra conta grátis

Olá, visitante

Você tem interesse em um
orçamento de consulta

Receba grátis o contato com o valor
personalizado para a sua consulta hoje mesmo!

Form Apoiar

Olá, visitante

Olá, visitante

Editar Perfil

Ver Perfil Profissional, Editar, Inserir fotos

Chats

Mensagens de chats com pacientes

Notificações

Estatísticas de acesso de visitantes

Feed de Notícias

Posts na timeline dos pacientes

Publicar no Blog

Aumente o alcance de seu perfil

Painel Encaminha

Lista de encaminhamentos

Painel Ads

Gerenciamento de anúncios no Google

Plano Premium

Seu perfil em destaque na plataforma

Painel Financeiro

Sua conta Premium

Minha Conta

Gerenciar conta, alterar senha