Muitas pessoas já passaram por relacionamentos que, em um dado momento, trouxeram à tona sofrimento. Momentos de alegria e união, se transformam rapidamente em angústia e conflitos. Depois, tudo retorna a paz, mas não por muito tempo. É comum que surjam questões como: “devo sair dessa relação? Continuar nela? A pessoa ainda me ama? Eu ainda a amo?” Ou, talvez, você se pergunte algo mais profundo, como: “o que é amor, afinal?” 

Já esteve em uma relação em que o outro lhe parece perfeito, trata-o com carinho, porém descobre que essa pessoa não era o que imaginava, que na verdade é alguém que o machuca, trai e humilha? No entanto, mesmo que tenha consciência de que algo está errado, não consegue de forma alguma se desprender dessa relação por medo de perdê-lo? 

São esses, mais provavelmente os tipos de relacionamentos que tendem a seguir entre rompimentos e retornos sucessivos ou entre um meio termo, em que os parceiros nem atam e nem desatam.

Chamamos, na psicodinâmica, essa configuração de vínculo tantalizante. O vínculo tantalizante é uma repetição de uma mesma experiência dolorosa nas relações afetivas: de um lado, temos alguém que revela um extremo apego pelo(a) parceiro(a) e de outro, um(a) parceiro(a) que faz promessas de uma mudança para melhor, mas suas atitudes sempre provam o contrário. O termo “tantalizante” é definido como: “aquele que tantaliza, isto é, que espicaça ou atormenta com alguma coisa que, apresentada à vista, excite o desejo de possuí-la, frustrando-se este desejo continuamente por se manter o objeto fora de alcance, à maneira do suplício de Tântalo”.

Esse eterno “tirar e dar” e uma grande recusa por parte do sujeito em se desprender de uma relação tóxica é considerada uma forma patológica de vivenciar uma relação e tem suas raízes na vivência subjetiva com os pais ou cuidadores durante a infância. 

Ou seja: a forma como fomos amados e cuidados pelos nossos pais quando éramos crianças interfere em nossos processos psíquicos, na maneira como escolhemos nossos parceiros e lidamos com o amor. Na psicoterapia, buscamos (re)conhecer esses afetos relembrando as vivências individuais, elaborando e ressignificando aspectos da própria história que talvez estejam adormecidos em nosso psiquismo e assim, entendendo a si e buscando novas saídas para o sofrimento.

 

Camilla Lima (CRP 17/6664)

Deixe uma resposta

Redes Sociais!

Uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes, possibilitando atendimentos online e presenciais.

© PsicoMed Doctor Psi, LLC. All rights reserved.

Fale com o atendimento
Whatsapp
Whatsapp

Olá, visitante

Entre em sua conta

Ainda não tem cadastro? Abra conta grátis

Olá, visitante

Você tem interesse em um
orçamento de consulta

Receba grátis o contato com o valor
personalizado para a sua consulta hoje mesmo!

Form Apoiar

Olá, visitante

Olá, visitante

Editar Perfil

Ver Perfil Profissional, Editar, Inserir fotos

Chats

Mensagens de chats com pacientes

Notificações

Estatísticas de acesso de visitantes

Feed de Notícias

Posts na timeline dos pacientes

Publicar no Blog

Aumente o alcance de seu perfil

Painel Encaminha

Lista de encaminhamentos

Painel Ads

Gerenciamento de anúncios no Google

Plano Premium

Seu perfil em destaque na plataforma

Painel Financeiro

Sua conta Premium

Minha Conta

Gerenciar conta, alterar senha