A violência obstétrica consiste em violência verbal, violência física, constrangimento, procedimentos médicos sem consentimento da paciente, demora no atendimento, abuso, desrespeito, negligência médica, não fornecer alívio para a dor, afastar mãe e filho após o nascimento, negar acompanhante,
negar atendimento, fazer episiotomia ou ruptura da bolsa, fazer manobras de parto desnecessárias, exames de toque em excesso, falar palavrões etc. Estatisticamente, 25% das mulheres que são atendidas no SUS sofrem violência obstétrica,sendo a maior parte mulheres negras.
 
Devido aos casos de violência obstétrica, o conceito de humanização no SUS se torna mais importante nesse contexto não só para prevenir violência, como também para alertar as pessoas sobre o que é violência obstétrica. Segundo Passos (2005), o conceito de humanização deve ser reavaliado para que se possa criar um modelo eficaz de atenção e gestão, pois o conceito foi banalizado e as políticas públicas foram fragmentadas e apresentam baixa horizontalidade. A Política Nacional de Humanização (PNL) foi criada em 2003 para propor as mudanças necessárias tendo princípios básicos como a inseparabilidade entre atenção a gestão no SUS, transversalidade e autonomia
dos sujeitos. Isso é uma aposta esteticamente ética e política de efetivar os princípios do SUS.
 
Pensando na perspectiva social que pode levar à violência obstétrica, para Cisne (2015), o agravante para a violência contra a mulher é a sociedade desigual na qual vivemos e as mudanças para isso devem ser maiores e mais profundas do que os ideais da Revolução Francesa “Igualdade, fraternidade e liberdade”. Deve-se, portanto, problematizar a importância da luta pelos Direitos Humanos para o combate da violência contra a mulher.
 
Deve-se criar políticas públicas que possibilitem a troca de conhecimentos entre usuários do SUS e profissionais de saúde. A humanização no parto é um processo que começa com a informação que é passada à mulheres antes do parto e não deve terminar até que todas as medidas de saúde após o parto sejam efetivadas para o bem-estar biopsicossocial da mulher e do bebê.
 
Visando o conceito de humanização transversal, não fragmentado, não banalizado, com troca de diálogo e respeito e maior autonomia ao sujeito, pensou-se em uma nova ferramenta de intervenção a partir da psicoeducação. Considerando que a humanização no parto é um processo e não um produto que se entrega pronto, deve-se pensar em um processo de troca de informações, apoio e respeito mútuo para garantir não só a segurança, mas também o bem-estar da equipe de saúde e, sobretudo, das pacientes. 
 
 
Referências
BENEVIDES, Regina; PASSOS, Eduardo. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência e Saúde Coletiva. V.10, n. 3, p 561-
571, 2005.
CISNE, Mirla. Direitos humanos e violência contra as mulheres: uma luta contra a sociedade patriarcal-racista-capitalista. SERV. SOC. REV., Londrina, v. 18,
n.1, p.138 – 154, jul./dez. 2015.

Deixe uma resposta

Redes Sociais!

Uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes, possibilitando atendimentos online e presenciais.

© PsicoMed Doctor Psi, LLC. All rights reserved.

Fale com o atendimento
Whatsapp
Whatsapp

Olá, visitante

Entre em sua conta

Ainda não tem cadastro? Abra conta grátis

Olá, visitante

Você tem interesse em um
orçamento de consulta

Receba grátis o contato com o valor
personalizado para a sua consulta hoje mesmo!

Form Apoiar

Olá, visitante

Olá, visitante

Editar Perfil

Ver Perfil Profissional, Editar, Inserir fotos

Chats

Mensagens de chats com pacientes

Notificações

Estatísticas de acesso de visitantes

Feed de Notícias

Posts na timeline dos pacientes

Publicar no Blog

Aumente o alcance de seu perfil

Painel Encaminha

Lista de encaminhamentos

Painel Ads

Gerenciamento de anúncios no Google

Plano Premium

Seu perfil em destaque na plataforma

Painel Financeiro

Sua conta Premium

Minha Conta

Gerenciar conta, alterar senha